Connect with us

Digite aqui o que você está procurando!

ENTRETENIMENTO

Globoplay anuncia data de estreia da série sobre MC Daleste

Globoplay anuncia data de estreia da série sobre MC Daleste
Foto: Globo

6 de julho de 2013: um jovem MC é assassinado com dois tiros em cima do palco na frente de milhares de fãs. O crime que aconteceu durante um show em Campinas, interior de São Paulo, é filmado e os vídeos viralizaram. Dez anos depois, o assassinato continua impune, ainda não se sabe quem matou Daniel Pellegrini, o MC Daleste.

Produzida pelo jornalismo da Globo, a série documental MC Daleste – Mataram o Pobre Loco que estreia na Globoplay no próximo dia 23 revela detalhes do fim trágico do funkeiro que virou lenda nas periferias do Brasil. Em quatro episódios, que serão lançados em sequência, a produção conta a história do MC, se aprofunda na investigação do crime, além de percorrer a trajetória do funk ostentação em São Paulo. A série tem direção de Guilherme Belarmino e Eliane Scardovelli, que também assina o roteiro junto com Caio Cavechini.

Globoplay anuncia data de estreia da série sobre MC Daleste

Foto: Globo

A equipe do documentário teve acesso ao processo criminal, que tem quase 1.000 páginas, e foi arquivado pela última vez em 2019. As linhas de investigação consideram desde o relacionamento de Daleste com namoradas de traficantes até uma possível participação da polícia.

“É um crime que chama muita atenção, até mesmo de pessoas que não gostam de funk, que não conheciam o Daleste. Foi chocante ver um jovem de 20 anos no auge da carreira ser baleado em pleno show. Ao longo dos quatro episódios da série, esmiuçamos a investigação e trazemos uma série de elementos que podem ter relação com o assassinato dele”, explica Eliane Scardovelli. “A impunidade do assassinato de MC Daleste é um retrato do descaso do país com a população da periferia. Infelizmente, ele é um entre milhares de jovens mortos sem que suas famílias tenham respostas. Dez anos depois, os fãs não esqueceram MC Daleste e querem justiça. Nós, jornalistas, temos esse papel de ouvi-los e de cobrar as autoridades”, complementa Guilherme Belarmino.

A série traz depoimentos exclusivos de testemunhas, do delegado do caso, do irmão e da irmã de Daleste, além de artistas como Glória Groove, MC Livinho, MC Hariel, entre outros. Em homenagem ao funkeiro, Glória Groove usou o refrão de Quem é, sucesso do MC, na canção Vermelho, que entrou na lista das músicas mais ouvidas do país. A produção também mostra as transformações que o movimento passou na última década.

Em 2013, no auge do funk ostentação, surgiram os “rolezinhos” nos shoppings de São Paulo, encontros que reuniam centenas de jovens de periferia.

“O funk ostentação hoje virou uma indústria. Talvez seja o único estilo musical que consegue se aproximar do sertanejo no número de plays, views etc. A série mostra o contraste entre essa realidade de hoje e a da época de Daleste, que gravava com a voz baixinha dentro de uma Lan House para não atrapalhar os outros frequentadores. É uma voz da periferia que começa assim mesmo, baixinha, e logo está no Brasil todo – e até hoje. Milhares de pessoas cantaram um refrão dele no último The Town”, afirma Caio Cavechini.

Matéria escrita por

Leia também

ENTRETENIMENTO

No vídeo postado nas redes sociais, a artista contou que o atleta mantinha conversas com outra mulher

ENTRETENIMENTO

"Acabei com a confiança da pessoa que eu mais amo. Eu tô de verdade sem chão", disse o atleta

ENTRETENIMENTO

Glória Pires chegou a oferecer R$ 35 mil, mas a oferta foi recusada por ex-cozinheira

ENTRETENIMENTO

Artista estampou a capa da revista Wow